Carol Schrappe em Tulum, México

quarta-feira, 22 de junho de 2011

Carol Schrappe, uma Mergulhadora Especial


Tem gente que passa por nossas vidas. Tem gente que fica. Na minha, ficou Carol Schrappe. Neste mês completamos 10 anos juntos (nossos recordes pessoais, que espero sejam quebrados ano a ano).

Carol é especial, como esposa, mãe de nosso Enzo, como sócia e parceira. Mas o blog é de mergulho, então, mas obviamente carregado de "pessoalidades", vou falar um pouco da Carol Mergulhadora.

Meu sonho, iniciado na primeira aula que tive de um curso básico, em 1987, era virar instrutor de mergulho, para poder multiplicar o número de pessoas que mergulham por aí. Em 2000, já instrutor há 13 anos, conheci uma pessoa "nata" para a coisa. Muitos dos meus alunos foram assim, mas esta em especial, se agarrou com máscaras e nadadeiras no mundo do mergulho.

Hoje, dificilmente encontramos alguém que buscou tanto, viveu tanto, e dedicou tantos minutos embaixo d´água, e em salas de aula, e em diferentes lugares do Brasil e do Planeta. Respirando ou NÃO.

Carol é mergulhadora de apnéia, para se divertir com golfinhos, ou para competir, ir fundo, quebrar recordes do que ela mais gosta e sabe fazer: batendo nadadeiras, na ida e na volta.

Carol é mergulhadora recreacional de qualquer especialidade que possam imaginar, em noturnos, diurnos, rasos, fundos, com ar ou com nitrox, em naufrágios, em corais, em paredões rochosos, ou em areias brancas e rasas, pela NAUI, PDIC, IANTD e PADI.

Carol é mergulhadora técnica em profundidade, com misturas trimix de fundo e ricas em oxigênio nas misturas descompressivas. É mergulhadora técnica de cavernas, cavern, intro e full cave diver, GUE e TDI (ei... porque fez cursos por credenciadoras que não desenvolveu "carreira" ? Simples, porque queria aprender o que outros tinham a ensinar... esse é o perfil da Carol).

Carol é INSTRUTORA DE MERGULHO com letras maiúsculas, não ganhou nada nunca, se formou sempre com empenho e dedicação (e uma auto-crítica de irritar as vezes...), como Instrutora NAUI, PDIC, IANTD e PADI.

Fez cursos com os melhores profissionais do ensino e treinamento de apnéia do planeta, a PFI - PERFORMANCE FREEDIVING INTERNATIONAL, e com eles ministrou cursos PFI em Cayman para grandes atletas, hoje recordistas em seus países. Também aprendeu e troca suas experiências com o pessoal do VERTICAL BLUE, nas Bahamas, e com outros mais mundo a fora.

Desenvolveu, baseada na sua experiência como Instrutora Scuba formada pela NAUI, PDIC, IANTD e PADI, e sua experiência e cursos PFI, um treinamento de altíssima qualidade, realmente diferenciado, que virou Curso Free Diver na PDIC, e a única ESPECIALIDADE DISTINTA PADI no planeta, o PADI EXPERT FREE DIVER, válido inclusive para formação do Master Scuba Diver PADI. Também é Master Free Diver Instructor Trainer IANTD. Somente duas pessoas tem este título no planeta, pela primeira certificadora internacional a lançar diferentes níveis de treinamento de mergulho livre, e que possui seus cursos reconhecidos pela AIDA Internacional.

Carol sabe ensinar as pessoas a mergulhar. É instrutora de diversas especialidades do mergulho Scuba, mas tem se dedicado especialmente, nos últimos anos, a ensinar o mergulho livre de alto desempenho. A maior prova, é que hoje, são 14 Dive Centers no Brasil em que ministra seus cursos (Acquanauta, Amigos do Joe, Aquaticos, Atlantis, Captain Dive, Claumar, Dive Tech, Diving College, Mar a Mar, Mundo Sub, Scuba Du, Subaquatica, UW Bahia e X-Divers). Não são cursos ocasionais, de uma vez só, mas parcerias consolidadas. Além destes Dive Centers, ministra cursos em Foz do Iguaçu com regularidade e na Escola Superior de Educação Física do Exercito, no Rio de Janeiro, e a lista não para de crescer.

Isto porque a Carol faz um excelente acordo com a Escola, comercial e de fidelização dos clientes para o Dive Center. Mas o que a motiva são os índices de satisfação de seus alunos, gigantesco, e todos querem seus treinamentos de volta. Basta entrar em alguns sites de algumas destas escolas, que expõem os depoimentos de seus alunos.

Carol é do "TIME DO BEM" (esta foi uma definição usada por alguns ícones da instrução de mergulho no país), e casa muito bem com ela, sempre disposta a ajudar e a fazer melhor. É admirada e troca experiências com grandes atletas do Brasil e do Exterior, incluindo recordistas mundiais, juízes AIDA, distribuidores de equipamentos, além dos responsáveis por cada um dos Dive Centers acima, e para ela o principal, seus adorados alunos.

Carol respira e vive o mergulho diariamente, 7 dias por semana, 365 dias por ano, 24 horas ao dia. Não é exagero. Passará nosso aniversário de 10 anos longe, no Egito, com guia de mais um grupo de mergulhadores. Escolheu uma rota com os melhores mergulhos do Mar Vermelho, mas que tem um lugar para mergulhar em apnéia com golfinhos... esta é a minha Carol. Sorte de todos que tem alguma parecida por perto.

Polaca, eu te amo.


segunda-feira, 21 de junho de 2010

Mergulho TÉCNICO FÁCIL !

Inúmeras vezes deparo com mergulhadores que comentam que “tech dive” é muito difícil, complicado, caro... Falam com admiração, mas por vezes quase como desculpas para não fazê-lo. Todos têm parcial razão. Parcial porque o mergulho técnico pode ser caro, pode ser difícil, e pode ser arriscado, sim. Mas pode ser fácil, relativamente barato, e principalmente, muito seguro. Isto vai depender de duas coisas: onde você quer chegar, e como você chegou para fazer mergulho técnico (os pré requisitos antes do curso, não só de carteirinhas, mas de como está mergulhando). E lá no final da fila, no meu entender, alguns aspectos psicológicos (claro, se você tem claustrofobia não é bom que tente entrar em uma caverna, por exemplo).


Casal www.1000dias.com se preparando para viagem por toda a América 
com muitos mergulhos, incluindo alguns TECs.
(foto Equipe Aquaticos - www.aquaticos.com.br)

Primeiro, o que é MERGULHO TÉCNICO

A definição mais “clássica” é: “aquele mergulho que tem teto, físico ou fisiológico”. Ou seja, que eu não posso retornar a superfície diretamente, pois ou estou dentro de uma caverna ou naufrágio (teto físico), ou tenho que fazer descompressão (teto fisiológico). Credenciadoras diferentes separam o mergulho recreativo do técnico com esta regra, e mais algumas. Por exemplo, se o mergulho for abaixo dos 40 metros, é técnico. Se o mergulho precisar de outra mistura de fundo que não o Ar ou o Nitrox, é técnico, e assim por diante. O fato é que todas estas definições estão corretas, sem dúvida, e que mergulho técnico é um mergulho avançado com uso de equipamentos, técnicas, misturas gasosas, além de comportamentos e atitudes diferentes do mergulho recreativo. Abaixo há uma postagem neste blog explicando um pouco do mergulho em cavernas e naufrágio, suas diferenças, e quando são recreativos, quando são técnicos. Para o mergulho profundo há também distinção entre “REC” e “TEC”, na mesma linha de raciocínio.

Porque pode ser difícil ou fácil mergulhar TEC

Naufrágio do Andrea Doria, costa nordeste americana. Profundidade de 75 m, visibilidade, quando muito boa, 6 metros no fundo, água entre 09 e 12 graus. Um naufrágio emborcado (de lado), em desmantelamento, penetrações complexas. Muita corrente na superfície e na porção rasa (deco) do mergulho, quase sempre mar com grandes ondas, sem abrigo nem para dormir (o barco fica normalmente ancorado e dorme em cima do naufrágio). Imersões quando muito com 30 minutos de fundo, e mais quase 90 de DECO (na corrente e água fria, sem visibilidade). Roupa seca com undergarment (roupa de baixo que aquece) indispensável, e sem poder falhar/entrar água. Nos cilindros duplos o Trimix é indispensável, além de no mínimo 2 cilindros de DECO pendurados no mergulhador. Sem dúvida uma operação cara, uma verdadeira expedição a ser montada com exclusividade para seu time.

UM EXCELENTE E EMOCIONANTE MERGULHO TÉCNICO DIFÍCIL, sem dúvida, mesmo para os mais experientes. Não é a toa que é considerado o Everest do mergulho TEC.
 
Ilustração do Doria (www.shipwreckcentral.com)
  
Naufrágio do Thistlegorm, costa nordeste do Egito. Profundidade de 32 m, visibilidade, normalmente entre 20 e 30 metros no fundo, água entre 24 e 28 graus. Um naufrágio em pé (posição de navegação), intacto em sua parte com mais atrativos, com penetrações fáceis em grandes porões. Pouquíssima ou nenhuma corrente na superfície, quase sempre com mar deitado, onde o barco ancora e passa a noite sem perceber onda alguma. Imersões de 90 minutos de fundo, com quando muito, 30 minutos de DECO (observando o naufrágio com um todo de onde descomprimimos, além dos cardumes de peixe). Roupa de 3 mm. Na dupla EAN32 e se necessário, um cilindro de DECO pendurado do mergulhador. Uma operação barata, basta escolher um barco que além de mergulhadores recreativos, tenha pelo menos um dupla TEC para você, e gastando apenas poucos dólares a mais para locar um cilindro duplo.

UM EXCELENTE E EMOCIONANTE MERGULHO TÉCNICO FÁCIL, sem dúvida, mesmo para quem está iniciando no mergulho TEC. Não é a toa que é considerado um parque de diversões para qualquer mergulhador.

Ilustração do Thistlegorm (www.kildare.ie)

Nestes dois exemplos, explico a minha primeira indagação sobre onde quer chegar como mergulhador técnico. Da mesma forma que alguém pode ser um mergulhador básico para sempre, e outros avançados com especialidade em naufrágios, o mergulhador TEC também pode usar um equipamento TEC, mas para explorar mergulhos fáceis, com segurança, sempre, mas ir além do mergulho REC (cursos como Advanced EANx Diver ou até Trimix Normoxic Diver). Ou, se quiser evoluir, fazer cursos mais complexos e ir mais fundo (Trimix ou Advanced Trimix Diver, Multi Stage Technical Diver, e assim por diante). Para cavernas, a mesma coisa, pode brincar na área de luz natural, penetrar em dutos principais sempre grandes e muito bem cabeados, ou pode querer fazer navegações mais complexas (travessias e circuitos), com inúmeros “jumps” e “gaps” (e idem sobre naufrágios. Leia mais no artigo publicado neste blog: http://reinaldoalberti.blogspot.com/2010/02/naufragios-x-cavernas.html).

Mas mais importante ainda de onde você quer chegar, para ser fácil mergulhar TEC, é ter uma atitude e uma postura para o TEC. Hoje em dia, qualquer aluno meu de curso avançado, já aprende a utilizar uma carretilha / ”spool” e um “deco mark”, e é incentivado a comprar, se ainda não tem, um colete tipo asa com plate, e a configurar seus reguladores com mangueiras nos tamanhos certos. De frente, ele usa exatamente a mesma configuração para qualquer tipo de mergulho (leia mais abaixo). Além disso, participar de clínicas de fundamentos (todos utilizados no mergulho técnico, como a correta respiração, acerto do “trim” e da flutuabilidade, e maneiras de se deslocar) os deixam muitíssimo confortáveis para encarar o mergulho TEC, sem mudanças bruscas na maneira de mergulhar e no equipamento a utilizar.

Ou seja, no mergulho, em qualquer nível, tem que ter havido EVOLUÇÃO do praticante, em técnicas, comportamentos e equipamentos. O próximo passo será FÁCIL, depois que o último está totalmente dominado. Aí, a duplinha que tanto prezo: SEGURANÇA e DIVERSÃO, está garantida.
Pré requisitos

- Saúde em dia – faça um exame médico, e por desencargo, peça a um cardiologista um exame de Foramen Oval.
- Avançado, Nitrox e Deep Diver Recreativos, por qualquer credenciadora.
- 25 mergulhos logados.
- Faça um seguro da DAN (www.danbrasil.org), você está indo além do mergulho recreativo.
- Ser não fumante – certas escolas/credenciadoras não exigem isso – mas meu chapa, sem dúvida, seu filtro pulmonar é mais exigido no mergulho TEC. Se não parou, largue essa m...

Configuração TEC
 
Garrafas duplas, com torneiras interligadas, mas que se tornam independentes através de um isolador, dois reguladores portanto, mangueiras customizadas (reduzidos tamanhos) e uma mangueira longa no regulador principal, uso de asas sustentadas por back plates ou soft harness, roupas de melhor proteção térmica (secas ou semi-secas), lanternas mais potentes, de cânister e com “goodman handle”, três delas (para mergulhos em cavernas), nadadeiras de melhor potência para movimentar um mergulhador que tem mais arrasto, ou menores e mais largas (Jet, turbo, etc) para dar maior manobrabilidade. Cilindros de “stage” ou “deco”, com reguladores próprios e mangueiras também com tamanhos diferenciados das recreativas, pendurados por “rigs” no “harness”. Esse é o desenho da configuração padrão de um mergulhador TEC. A foto ajuda a entender.
  
Configuração TEC com duplas (www.apeks.co.uk
  
Mas também podemos fazer mergulho RECREATIVO com uma configuração TÉCNICA. Veja a foto abaixo. Mergulhadores que já passaram por um curso TEC e concluíram que é mais prático mergulhar com uma configuração TEC no REC. Ou não ainda, mas  estarão mais preparados para quando encarar um curso TEC.
 
Mergulho recreacional em Galápagos, mas note que a mergulhadora usa configuração 
TEC de colete e reguladores (www.marcelokrause.com)
 
Muitos mergulhadores TEC que eu conheço, infelizmente ganham uma certa “síndrome do mergulhador técnico”, ficam “metidos” e não querem mais saber de mergulho recreativo. Bobagem pura ! Mergulham muito menos.

Mas há os mergulhadores que eu mais admiro, que após ter concluído um curso TEC, ou mesmo durante seu curso avançado, já optam por uma configuração que vai ser mais próxima da exigida no mergulho TEC. Quando chegam lá, fica tudo muito mais fácil. E aqueles TEC que adaptam seu equipo, através de um adaptador para cilindro simples, pura e simplesmente, e mergulham SEMPRE COM A MESMA CONFIGURAÇÃO. Ou seja, muito expertamente, estão treinando para o mergulho TEC quando praticam o REC, e se mantém treinados no REC quando praticam o TEC. E sempre, em qualquer um dos desafios, ao menos no que diz respeito à adaptação e ao uso do equipamento, estão preparados e bem treinados. Ponto para eles !

A evolução no TREINAMENTO TEC

Faça na ordem certa, e como seu instrutor lhe aconselhou no mergulho recreativo, uma coisa de cada vez, com intervalos entre cursos MERGULHANDO. Exemplo de uma formação pela IANTD (TDI, GUE, PADI, NAUI TEC, entre outras, têm programas similares):

1. Tek Lite IANTD – agrupa os cursos Advanced EANX e Recreatinal Trimix Diver. Limites de 48 m de profundidade, um cilindro de DECO (com EAN50 ou O2) para descompressões que duram até 15 minutos.

2. Trimix Normoxic IANTD – Limites de 60 m de profundidade, dois cilindros de DECO, com perfis com maior tempo de fundo e de descompressão.

3. Trimix Diver IANTD – Limite abaixo dos 60 m de profundidade, podendo ser combinado com mais cilindros de “stage”, “gás travel”, etc.

Outros cursos podem ser ministrados em conjunto ou entre estes (por exemplo, o instrutor pode sugerir o Techinical Diver – dois cilindros de DECO após o Tek Lite, e depois fazer o Normoxic, etc). Sempre, o bom instrutor vai lhe saber explicar / demonstrar porque destas divisões.

Além disso, existem outras coisas a fazer, no meio disso tudo, como o DPV Diver, o curso de Roupa Seca, etc... Ou seja, sempre há possibilidade aprender mais.

Meu amigo, se você acha que aprendeu tudo, você já era e esqueceram de te avisar.

Para saber mais sobre cursos técnicos descompressivos, em cavernas ou naufrágios, entre em contato comigo através do e-mail, ou procure saber mais nos Dive Centers abaixo:
- Reinaldo Alberti - reinaldo@acquanauta.com.br
- Acquanauta Mergulho Curitiba - www.acquanauta.com.br
- Mar a Mar Belo Horizonte - www.maramar.com.br
- Planeta Mergulho Porto Alegre - www.planetamergulho.com.br
  
Bons mergulhos ! Você merece !

quinta-feira, 17 de junho de 2010

Record Sulamericano de -72 metros em Lastro Constante - Carol Schrappe


Com muito orgulho apresento no blog o vídeo deste recorde sulamericano da Carol. Hoje ela é a oitava mulher mais funda do planeta, na mais CLÁSSICA disciplina de mergulho livre, - LASTRO CONSTANTE COM NADADEIRAS - sendo a melhor marca latino americana na categoria.

Curtam, e para saber mais sobre os recordes, cursos e trabalhos da Carol visitem seu site: www.carolschrappe.com.

Bons mergulhos !

segunda-feira, 7 de junho de 2010

Concluído Curso Introductory to Cave Diver - MAR A MAR

Neste feriado de Corpus Christi concluí mais um treinamento dos Cursos Cavern & Intro to Cave credenciado pela TDI - Technical Diving International. Estes dois cursos, ministrados conjuntamente, têm objetivo de introduzir o mergulhador no mundo das cavernas e minas alagadas, na área de luz (Cavern) e em condutos principais cabeados, sem restrições na área de "cave" (Introductory to Cave). O curso é dividido em aulas teóricas, práticas de piscina, e práticas em cavernas ou minas alagadas.


Este treinamento aconteceu mais uma vez na MAR A MAR, em Belo Horizonte, sem dúvida uma das melhores estruturas para se dar aula de mergulho do país, onde 3 alunos participaram deste curso. Primeiro em sala de aula, com 4 aulas, divididas em dois dias, onde aprenderam sobre os tipos de cavernas, a classificação e limites do mergulho em cavernas, os equipamentos e suas configurações específicas, o estudo e análise de acidentes em cavernas, que permeia todo o comportamento dos mergulhadores que querem conhecer este tipo de mergulho, além de aspectos psicológicos, manejo de emergências e planejamento de mergulhos em cavernas.
 
Aulas teóricas onde discutimos todos os equipamentos, técnicas e
comportamentos de um bom mergulhador de cavernas.
  
Depois mais duas noites para aulas práticas em piscina, onde cada aluno aprendeu a configurar e utilizar novos equipamentos, fazer "land drills" (simulações fora da água para uso de carretilhas e protocolos de cabo) e cair na água para treinar deslocamentos em ambientes "overheads" (com teto), cabeamentos, exercícios de emergências relacionadas ao mergulho em cavernas, protocolos de cabo agora submersos e diversas simulações do que encontrariam na Mina da Passagem, nosso destino final para as práticas em ambiente real de cave.

Estas duas partes do curso aconteceram nos dias 26, 27 e 31 de maio, e 01 de junho. No feriado de Corpus Christi - entre os dias 03 e 05 de junho - fomos até Mariana, também em Minas, para realizar os mergulhos de conclusão do curso. Foram 3 dias na Mina da Passagem, operada pela DIVE GOLD, realizando exercícios para formação dos mergulhadores em Cavern e Intro to Cave, somando muito tempo de fundo e repetição de exercícios, além de belos mergulhos de exploração dentro dos limites de curso. A turma se empolgou bem, e ficamos ainda no domingo, dia 06/06, para realizar alguns mergulhos de passeio na Mina. Em Marina ficamos hospedados na POUSADA DA SERRINHA, simpática, com ótimo café da manhã, e um atendimento de "casa da avó", e o melhor, a 2 minutos de carro até a Mina.
  
 
Os alunos na placa de entrada da zona de cave
 
Exercícios com e sem máscara foram repetidos diversas vezes
 
Checks diversos, incluindo de torneiras, fazem parte do treinamento
  
 
 O time pronto para mais uma imersão
   
Quero agradecer aos participantes - Doug (Douglas), Dudu (Eduardo) e Teca (Tereza Christina) - pela oportunidade de lhes ensinar sobre esta que é uma das mais belas técnicas de mergulho, para com muito respeito conhecermos estes espetáculos da natureza que são as cavernas alagadas (e claro, construídos pelo homem, como a Mina da Passagem); e de aprender com eles, como sempre faço com meus alunos. Parabéns a todos pelo comportamento exemplar em todos os sentidos.

LOG BOOK DO CURSO
- Aulas em piscina dias 31 de maio e 01 de junho
     - 06 horas
- Aulas na Mina da Passagem, Mariana, MG
     - 03 de junho - 2 mergulhos de 60 min cada para exercícios de técnicas e penetrações
     - 04 de junho - 1 mergulho de 40 min para exploração e 1 de 60 min para exercícios
     - 05 de junho - 1 mergulho de 45 min para exploração e 1 de 60 min para exercícios
     - 06 de junho - 2 mergulhos de 53 min e de 30 min para exploração - EXTRAS
 
GASTRONOMIA
Bem, a pedidos de meus alunos, vou começar a postar algumas dicas gastronômicas aqui no Blog, pois como todos sabem, o mergulho nos proporciona algumas "deliciosidades" fora da água também. Estas dicas são todas experimentadas, e quando algo não for tão bom, será aqui dito também.

Em Mariana: foram dois "almojantas" com Strogonoff e Bife a Parmeggianna no Sinhá Olímpia (Passagem). Para acompanhar refris ou cerveja Original (claro, sempre após os mergulhos). A noite massas no Restaurante Bistrô (centro) - spaghetti ao molho bechamel com tomates secos, e pennes aos molhos funghi e de camarão, acompanhados de um bom vinho Cabernet Sauvignon. Restaurantes BBB - bons, bonitos e baratos - sem dúvida!

Em Ouro Preto: No Passo's (Rua dos Bancos), delicioso restaurante onde jantamos um risoto trufado com amêndoas acompanhado de um bife alto com molho de geléia de framboesa e manjericão, harmonizado com um vinho tempranillo espanhol. Cafés e chocolates após os mergulhos na Chocolateria Ouro Preto (Rua dos Bancos), servidos com quiches, tortas e um muito bem preparado sanduíche de rosbife. E no Café Geraes (Rua Direita), para comemorar na última noite, novamente um bom Cabernet Sauvignon com um prato chamado Florias, composto de queijos parmesão e de mozzarella de búfala, tomates cerejas, palmito e verdes, regados a um excelente azeite de oliva português, acompanhando torradas. Para finalizar chocolate quente ou cappuccino expresso com creme. Todas estas opções um pouco mais "caras", mas sem dúvida, valeram cada centavo "investido".
Agradecimento especial ao Dudu, que além de ótimo aluno, se mostrou um expert nas sugestões dos vinhos tomados.

Ao final dos "trabalhos" o merecido brinde para comemorar!
  
Gostou? Participe dos próximos.

Para saber mais sobre cursos técnicos descompressivos, em cavernas ou naufrágios, entre em contato comigo através do e-mail, ou procure saber mais nos Dive Centers abaixo:
- Reinaldo Alberti - reinaldo@acquanauta.com.br
- Acquanauta Mergulho Curitiba - www.acquanauta.com.br
- Mar a Mar Belo Horizonte - www.maramar.com.br
- Planeta Mergulho Porto Alegre - www.planetamergulho.com.br

Bons mergulhos !

terça-feira, 6 de abril de 2010

Curso de Naufrágio na Mar a Mar concluído em Guarapari

Nesta Páscoa fechamos mais uma turma do Curso de Mergulho em Naufrágios, criado por mim e credenciado pela IANTD - International Association of Nitrox and Technical Divers. O objetivo deste treinamento é ensinar técnicas seguras para se mergulhar em um naufrágio, para mergulhadores recreacionais ou técnicos (de acordo com a certificação prévia de cada candidato). Este treinamento tem como conteúdo as definições e classificações para naufrágios, estudos de como encontrar um naufrágio (desde a pesquisa histórica até achar o ponto de mergulho), a identificação de peças e partes importantes que auxiliam na boa navegação e no entendimento de naufrágios desmantelados e inteiros, o uso de equipamentos "inteligentes" para se mergulhar em naufrágios, e as técnicas e comportamentos para um mergulho seguro fora e dentro de um naufrágio (esta certificação IANTD prevê a penetração em áreas de luz natural do naufrágio).

 Treinamento em sala de aula

Este curso foi ministrado na MAR A MAR, a mais tradicional escola mineira de mergulho, com uma estrutura excepcional e pouco vista em terras tupiniquins, com salas de aulas adequadas, uma piscina aquecida, coberta, e com profundidades diferentes, que recebeu este treinamento com muito entusiamo. Fui convidado no início do ano por eles para assumir 3 datas de treinamento de mergulho em naufrágios em 2010. A primeira foi esta turma concluída em Guarapari, a segunda que vai acontecer em julho (datas no calendário do site da Mar a Mar), e uma no segundo semestre, esta última já para o curso de Technical Wreck IANTD, que prevê imersões mais fundas, com configurações e misturas técnicas, que deve ser concluído em Recife.

Foi um curso acima da média, pois com esta estrutura, além das aulas teóricas com o conteúdo acima descrito, pudemos fazer 3 aulas de piscina, toda preparada pelos instrutores Serjão e Filipe, que construíram as armações com passagens e pontos de amarração ao meu pedido, para simularmos situações distintas que um naufrágio pode apresentar. Desta forma os alunos puderam realmente se dedicar ao correto deslocamento em um naufrágio, fortemente treinado por todos durantes estas imersões. Vale comentar que os alunos que passaram pelo treinamento têm o previlégio de poder utilizar a piscina da Escola quantas vezes quiserem, e usar estes artefatos para continuar treinando enquanto não estão no mar.
Preparação na piscina de todos os equipamentos, com discussões sobre a configuração mais 
inteligente para entrar em um naufrágio, baseado no que cada aluno possui.

Estruturas que simulam situações que serão encontradas em naufrágios foram montadas e utilizadas de diversas formas.

Este treinamento ocorreu nos dias 16, 17, 18, 19 e 31 de março, e no dia 01 de abril - Feriado de Páscoa - embarcamos para Guarapari, numa excursão organizada pela Mar a Mar (detalhes, clique aqui). No ônibus discutimos o comportamento dos mergulhadores que participaram da aula de piscina na noite anterior, analisando as filmagens dos exercícios propostos na piscina. Ao chegarmos, café da manhã e embarcamos com a Operadora de Mergulho Acquasub, com destino ao naufrágio do Bellucia, para duas imersões. O barco fretado pela Mar a Mar, tinha 3 grupos de interesse, o nosso, de alunos do Curso de Naufrágio, alunos do Serjão do Curso Avançado, e mergulhadores avançados da Escola. Todos concordaram em fazer as imersões em naufrágios durante os 3 dias.

Neste primeiro naufrágio (dados abaixo), um dos mais belos do país, e onde encontramos uma excelente visibilidade, os alunos fizeram a identificação de partes e peças importantes de um soçobrado, além de alguns exercícios envolvendo o uso de carretilha, já se preparando para as imersões com penetrações que aconteceriam nos dois dias seguintes no nosso segundo objetivo: o Victory 8B.

Foto do Bellarden (mesmo tipo de navio do Bellucia) gentilmente cedido pelo site Brasil Mergulho

Nos dois dias seguintes, Sábado de Aleluia e Domingo de Páscoa, nos dedicamos ao maior naufrágio artificial da costa brasileira, o Victory. Também com condições acima da média de visibilidade e pouca corrente (sempre há corrente neste dois naufrágios, mas pegamos dias com condições mais tranquilas). No primeiro mergulho os alunos fizeram um excelente reconhecimento do naufrágio, mergulhando por fora dele e entendendo sua composição, estado de conservação, pontos de entrada e saída de diversos conveses, comparando a situação atual e ali encontrada com os croquis que pesquisaram na internet, além do perfil de como seriam os mergulhos, do ponto de vista de planejamento descompressivo, já que está assentado aos 32 m, e tem conveses e partes que faríamos penetrações aos 29, 26 e 24 metros, além dos pisos superiores a profundidades menores.

Foto do Victory 8B antes de virar um naufrágio articial, já na fase de limpeza e preparação para o afundamento, gentilmente cedida pelo site Brasil Mergulho (www.brasilmergulho.com.br)

As outras 3 imersões foram destinadas a penetrações simples, e algumas penetrações "mais complexas", com treinamento para o uso de cabo guia, comportamento do time, mudanças de visibilidade, e passagens com diferentes graus de dificuldades.
Aviso colocado no lado de fora do naufrágio para nosso cabo de treinamento

Sempre, muito mais importante que entrar em um naufrágio, simples ou complexo, é sair bem, ter se divertido e evoluído.

Os 4 alunos que concluíram o treinamento (foram 6 que iniciaram o curso, mas 2 só completarão suas aulas na turma de julho, muito provavelmente em Ilha Grande, com a segunda turma Mar a Mar) o fizeram de forma excepcional. Todos cometeram os pequenos erros que se esperam de quem está iniciando este tipo de treinamento, discutiram muito comigo e entre si sobre soluções, e evoluíram durante as diversas imersões de piscina e mar, preleções e re-preleções, atingindo o comportamento e as atitudes corretas que o treinamento propõe.

Parabéns para ANTONIO, GUSTAVO, RODRIGO E TECA ! Vocês fazem parte agora de um grupo mais seleto de mergulhadores, com mais conhecimento, e também responsabilidades para mergulhar bem e defender, principalmente a preservação, destas cápsulas do tempo que são os naufrágios, mesmo quando foram afundados, como o Victory, para ser um "parque de diversões" para nós mergulhadores !
A turma: Antonio, Reinaldo, Teca, Chaparito e Rodrigo. Parabéns a os novos naufrageiros !

LOG BOOK DO CURSO
- Treinamento em piscina, Belo Horizonte, Mar a Mar
   - 3 aulas nos dias 18, 19 e 31 / 03, com 3 h cada.

- Mergulhos de Mar
   - 02/04 - sexta - Naufrágio Bellucia - 02 imersões com tempo médio de 50 min cada
   - 03/04 - sábado - Naufrágio Victory 8B - 02 imersões com tempo médio de 40 min cada
   - 04/04 - domingo - Naufragio Victory 8B - 02 imersões com tempo médio de 40 min cada

- Dados dos naufrágios visitados (fonte: Site Brasil Mergulho):
   - Bellucia - clique aqui
   - Victory 8B - clique aqui

Contato para cursos técnicos (em naufrágios (recreacional e técnico), cavernas e descompressivos):
Reinaldo Alberti - reinaldo@acquanauta.com.br
Acquanauta Curitiba - www.acquanauta.com.br
Mar a Mar Belo Horizonte - www.maramar.com.br
Planeta Mergulho Porto Alegre - www.planetamergulho.com.br   

Fotos: Site Brasil Mergulho e Serjão.